no trem no banco no meu lado, uma senhora

no trem no banco no meu lado, uma senhora
enfia a cara no chapéu e eu
não fui eu, fiz nada ô
tenho nada a ver com isso
e começa a declamar o pai-nosso, é bonito
porque não sou eu, é ela
e é bonito é eloquente é verdadeiro
mesmo que não seja
e a próxima estação é um sorvete, não
um big foda tasty dos grandes pra matar
a ansiedade de não encher
a barriga nessas franquias de pague a metade do dobro
então explode uma bomba na tv
fico sabendo que é lá onde há suicidas
que drama
um dólar a quatro, desço
comprar algumas coisas, a grana
a grana não alcança
pago no cartão, o cartão
sempre alcança
duas caixas de leite, uma
de cigarro, puta
tá quente essa porra
os dois ares de casa ligados
todas as portas fechadas
um colchão no meio da sala
e uma tv, o programa é
descansar os ombros na base do sofá
perder o controle entre três controles e aguardar
a próxima bomba
estourar