os olhos na nuca

nasci achando que o que era sombra era sol
e o que era sol era sombra
e o que me ofuscava era escuro
e o que eu não via era luz.
quando minha mãe falava
sai do sol, guri, vai te queimar
eu saía de baixo do guarda-sol
porque
segundo eu
ele guardava todo o sol
que podia me queimar. e eu me queimava na sombra.
as pessoas não entendiam porque eu não podia
abrir os olhos no escuro
eu dizia
eu não consigo ver
é tanto sol que eu não consigo ver.
e quando me convidavam pra ver o pôr
eu via o nascer
e no nascer
eu via o pôr
e por acaso
num desses pores que nascem
e nascidas que põem
eu vi você
mas você não viu.
era tudo tão claro
tão nascente em mim
só que em você
em você não
pra você não era dia
e sem que me visse
poente que só
nessa noite tão clara
você foi embora
mas foi embora chegando
devagar sendo rápido
me deu um beijo e um tapa
e quando o dia anoitava
muda, você me disse
tenho que voltar, já é tarde
e eu respondi que
nunca era cedo demais pra tentar
mas você já chegava indo embora
e eu só tive tempo de dizer
oi,
o tchau mais curto do meu mundo e da história.